Plataforma V.eye mudou a gestão de conectividade no Brasil

As plataformas de IoT são softwares que permitem a fácil conexão de dispositivos, agregando valor às funcionalidades. Geralmente, essas plataformas oferecem aos usuários elementos para personalizar as ações de acordo com as necessidades. Sendo assim, a plataforma V.eye vem fazendo mudanças na forma de fazer gestão de conectividade no Brasil.

É fácil observar que na rotina e planejamento estratégicos das operadoras esse tipo de serviço faz toda diferença. Principalmente, no que diz respeito à economia operacional. No meio de toda essa transformação digital, o V.eye surge como negócio com a missão de levar a transformação para dentro das telecoms, promovendo escalabilidade sustentável. 

Porque precisamos de uma plataforma de gestão?

O avanço da tecnologia IoT trouxe uma série de mudanças na forma como as operações eram executadas. Sendo assim, atualmente, fica cada vez mais difícil gerir tudo da maneira correta sem uma plataforma multifuncional. 

No que tange à usabilidade, antes do IoT o serviço resumia-se a tópicos como:

  • Maior prazo de permanência;​
  • Resistência em alterar o número da linha; ​
  • Dispositivos inteligentes;​
  • Baixa necessidade de auxílio para configuração;​
  • Durabilidade do dispositivo;​
  • Maior rentabilidade devido obter ARPU mais alto.​

Após a chegada do IoT, este cenário mudou. Confira: 

  • Uso verticalizado com particularidades distintas;​
  • Tempo de vida variável;​
  • Maior necessidade de movimentações; ​
  • Diferentes ciclos produtivos; ​
  • Isenção da necessidade de um número de linha;​
  • Maior sensibilidade sobre a disponibilidade de rede;​
  • ARPU* extremamente baixo.

A partir destes tópicos comparativos podemos entender a grande evolução que a chegada da Internet das Coisas trouxe. Não só no meio de telecomunicações, bem como em diversos outros players.

As primeiras plataformas

Imagem: Freepik

Desta forma, e com este avançar, surgem as primeiras plataformas de gestão de conectividade. Estas, então passam a lidar com fatores como:

  • Mão de obra X alta demanda;​
  • ​Custo operacional x ARPU* extremamente baixo;​
  • ​Aplicações verticalizadas;​
  • ​Centralização da operação;
  • Más aplicações de SLA‘s.

Então, passa-se a entender que fica ainda mais difícil gerir toda essa conectividade. Ainda mais dentro das suas complexidades, sem um ambiente uniforme e dedicado a isso.

Como a V.eye atua na Gestão de conectividade?

A V.eye é uma empresa de soluções para gestão de conectividade e internet das coisas que está construindo seu produto em conjunto com os clientes. Para isso, utiliza-se de soluções automatizáveis, inteligência artificial e machine learning

Portanto, o objetivo é preparar uma ferramenta para suportar todas as necessidades de gestão das operações, principalmente porque é necessário estar muito atento aos custos, bem como controlar a performance de conectividade que está 100% envolvida na qualidade do serviço que se presta.

Quando observamos os modelos tradicionais de negócios, entendemos que é necessário repensá-los para atender a particularidade dessas operações.

Muitas vezes, a operação está fora do alcance geográfico do SIMCard, portanto necessitamos gerenciar e controlar essa performance da melhor forma possível. 

Módulos para Gestão de Conectividade

Foi estudando e analisando o mercado e seus clientes, que a V.eye lançou três módulos para gerir conectividade de maneira ainda mais prática e otimizada: Gestão de Contas M2M, Conectividade e SMS

O foco, então, é tornar-se uma grande aliada na digitalização dos negócios e operações de M2M agregando benefícios como:

  • menor gasto com equipe de atendimento e suporte;
  • redução do custo operacional;
  • ampliação do potencial de escalabilidade;
  • melhor experiência de uso, por ser uma plataforma friendly;
  • economia de tempo;
  • gestão de custos.

Sendo assim, todas essas funções foram desenvolvidas para que o benefício do cliente final resuma-se a ganho de experiência e economia de tempo. Isso é ótimo, não é?

E o futuro do IoT?

Nós temos muito a aprender, pois os modelos de negócios atuais não são aderentes. Estamos aprendendo que para avançar, as redes de telecomunicações precisam passar por uma atualização e suportar todo esse número de conexões.

Ademais, quando entra uma nova tecnologia no mercado, há um processo de aprendizado para encontrar um modelo de negócio ideal. Estamos aprendendo com o mercado e vencendo barreiras para que isso possa acontecer de uma forma madura.

*ARPU – Average Revenue Per User (em português, receita média por usuário)

Leave A Comment